Resenha | “Não Tenho Fé Suficiente Para Ser Ateu”, de Norman Geisler & Frank Turek

nfa[Finalmente] concluí a leitura deste que considero um clássico, apesar de ser relativamente novo (1ª edição de 2006): “Não tenho fé suficiente para ser ateu”, de Norman Geisler e Frank Turek. [Até que enfim o carnaval serviu pra alguma coisa…]

Como cito brevemente na página “O que é Apologética?”, os autores expõem, em 398 páginas, as 12 proposições básicas da apologética cristã evidencial, em uma leitura bastante agradável e instigante. Há, ainda, três apêndices, que valem a leitura.

São 14 capítulos e mais uma conclusão, que bem poderia eu particionar em três grandes seções: (1) filosofia e a verdade – cap. 1 e 2, (2) argumentação científica – cap. 3 a 7 e (3) comprovação histórico-profética e muito+ do Cristianismo – cap. 8 a 14.

Usando desta minha classificação, a seção (1) aborda, sobretudo, da questão da verdade, em sua forma absoluta e objetiva, em contraponto à filosofia relativista de nossos dias, fruto direto do naturalismo filosófico de pensadores como Hume e Kant. A “tática do papa-léguas”, diria eu, poderia ser muito bem usada em 99% das universidades de hoje.

Na seção (2), são revelados os argumentos cosmológico, teleológico e moral, de forma a demonstrar que existe, sim, uma revelação natural de Deus (Criador) e sua Verdade (moralidade, certo e errado). Faço destaque aos capítulos 4 e 6, nos quais os autores expõem o princípio antrópico (cap. 4) e os cinco grandes problemas da teoria evolucionista (cap. 6).

Do capítulo 8 ao 14 (seção 3, na minha nomenclatura), é praticamente uma enciclopédia para assuntos diversos, desde a veracidade da Bíblia e seus manuscritos, as evidências proféticas e vida de Jesus, a divindade de Jesus, milagres e sobre outras religiões.

O capítulo 15 é uma conclusão deveras reflexiva, que de forma muito didática e evangelística relembra a trajetória do leitor, das conclusões básicas às avançadas.

Vale adiantar, sem spoilers, que a “Tampa da caixa” apresentada na introdução existe, e pode ser encontrada mediante estudo sincero e a aceitação das evidências aonde quer que elas levarem.

Obs: Faço apenas ressalvas a alguns pontos “fora da curva”, como equívocos acerca do Sábado e do inferno (juízo divino final). Com exceção destas e outras poucas divergências, o livro permanece insubstituível.

Jônatas Duarte Lima

Veja este vídeo promocional feito pelo próprio Frank Turek, via CrossExamined.org:

7 comentários Adicione o seu

  1. Bia disse:

    Olá, Jônatas!
    Bom, conheci o livro desta resenha há um tempinho por meio do seu post sobre livros para todos os cristãos. Dessa forma, ao finalizar a leitura da obra (coisa que acabou de acontecer) eu decidi voltar aqui para conferir a sua opinião e compartilhar a minha. Confesso que parte dessa minha iniciativa deveu-se à relação de amor e ódio que tive com o livro.
    “Não Tenho Fé Suficiente Para Ser Ateu” é um livro riquíssimo, mas mesmo eu sendo cristã o seu caráter provocativo me incomodou muito. Acredito que o público alvo da obra não foi algo pré-definido pelos autores. Tipo, eu não daria esse livro de presente a um amigo ateu, embora, por diversas vezes, os autores tenham se dirigido diretamente aos ateus. Por outro lado, também por diversas vezes, a obra me pareceu um treinamento para se debater com os não teístas. Ao longo da leitura me perguntei por que eles não optaram por apenas expor as razões que fundamentam a razão da fé em Deus. Além disso, devo confessar ainda que a falha deles em relação ao dia de guarda me fez lamentar muitíssimo.
    Enfim, os capítulos sobre a veracidade da Bíblia foram incríveis e o apêndice um me deixou com uma vontade imensa de que compartilhá-lo com o maior número possível de pessoas. Contudo, pretendo reler a obra no formato físico e estudá-lo ao máximo e só então resenhar no OL, pois no momento não sinto como se eu tivesse absorvido o suficiente da obra (na verdade encontrei dificuldades até para dar nota a ele no Skoob. Rs…).
    Por fim, parabéns pela resenha e por divulgar livros como este!
    Sucesso com o blog!
    Abraços.

    Curtir

    1. jonatasdlima disse:

      Olá Bia,

      Bem-vinda de volta! rs
      Bom, fico feliz que aquela lista tenha te levado a ler o livro.
      Imagino que a proposta dos autores, como eles, se não me engano, dizem nos primeiros capítulos é a de “mostrar por que é necessário ter mais fé para ser ateu do que para ser cristão”. Posto isso, acho que esta proposta é bem evidenciada na forma que os autores “evoluem” com o passar das histórias contadas; isto é: no início, seus próprios conflitos internos de quando mais jovens está em questão, ao passo que mais para o final do livro muitas das experiências relatadas já são de pessoas que tiveram contato quando já estavam firmes quanto a que lado ficar.
      Ressalto esse aspecto por que, enquanto apologistas (defensores do cristianismo), acaba sendo algo natural eles apresentarem o quadro geral da coisa, porém com suas considerações específicas do “por que tomamos tal decisão”.
      Com relação às divergências teológicas (e.g., sábado), de fato é de se entristecer, porém, fato é que seu ministério tem sido uma grande benção e deixemos Deus trabalhar no restante (e no que estiver ao nosso alcance, estejamos preparados para eventualmente argumentar com eles).
      Assim que publicar sua resenha no OL, avisa!
      Abraço.

      Curtir

  2. Gostei muito da resenha e do comentário.
    Realmente é preciso ter muito mais fé para ser ateu.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s