Resenha | “A Morte da Razão”, de Francis Schaeffer

a_morte_razao-francisFrancis Schaeffer define o objetivo de seu livro: “Para comunicar a fé cristã de modo eficiente, portanto, temos que conhecer e entender as formas de pensamento de nossa geração.”

“A Morte da Razão” – que apesar do título, é totalmente diferente deste outro livro -, tem uma proposta audaciosa: entender por que o homem moderno é como é. Para cumprir este objetivo, Schaeffer faz uma jornada ao longo dos últimos séculos, à partir da filosofia de Tomás de Aquino (e seu então inovador conceito da autonomia da natureza), até a total dicotomia “criada” pelos pensadores posteriores entre o homem-não-racional e o racional, a Fé a Racionalidade.

As consequências desta dicotomia são evidentes quando observamos o processo filosófico ao longo dos últimos séculos e os resultados hoje contemplados na sociedade moderna. À partir da pressuposição falha de que a verdade é encontrada mediante a autonomia do homem, apenas se retarda e diminui exponencialmente as possibilidades de chegar a qualquer verdade, e o resultado é o desespero.

O ápice do livro está nos capítulos que Schaeffer fala sobre O Salto. Neles, é como se estivéssemos com um Raio-X examinando, e entendendo, o comportamento do homem moderno, sobretudo, inclusive, quanto a suas aspirações mais íntimas, que em meio a uma filosofia naturalista não se poderia obter uma resposta fora do dito “materialismo” [confira este post em que a autora fala de maneira célebre sobre O Salto].

Apesar de ter apenas 105 páginas, “A Morte da Razão” é um livro que exige leitura atenta e deveras reflexiva. De forma resumida, porém bastante objetiva, o autor repassa os principais movimentos filosóficos dos últimos 500 anos, a fim de obter um quadro em que possamos trabalhar, como cristãos, para um evangelismo eficiente no Século XXI.

Pretendo reler este livro em breve. Tal qual aquele filme que a cada vez assistido percebe-se um novo detalhe, “A Morte da Razão” precisa ser lido e re-lido pela comunidade cristã urgentemente. Compreender, via a história da filosofia e dos principais movimentos que determinaram o pensamento da sociedade em que vivemos, é por demais vital para ser menosprezado.

Jônatas Duarte Lima

Ficha Técnica
“A Morte da Razão”
Autor: Francis Schaeffer
Editora: ABU / Ultimato

3 comentários Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s